Buscar
  • Igreja Batista Mineira

A tradição de Jesus

Atualizado: 18 de Jun de 2019

por José Marcelo Fernandes Domingos


Tradição é um daqueles termos que dependendo do contexto se muda completamente o conceito, podendo ser santificado ou demonizado. Albert Camus sintetizou esta assertiva numa célebre frase: “Todo ponto de vista é a vista de um ponto”. Óbvio? Nem tanto. Vamos aos fatos.


No contexto antropológico, a tradição é a alma de uma cultura e seu objeto primeiro de estudo, por exemplo. Nas tradições dos povos se conhece sua história, modos de vida e, até mesmo sua vida privada. A tradição se torna a justificadora de práticas e costumes que para uns não tem sentido, para outros, entretanto, é a razão da existência. No contexto sócio religioso evangélico brasileiro, a tradição das igrejas históricas é “demonizada” e até mesmo ridicularizada pelos “neo-pentecostais”, numa tentativa deliberada de associar a tradição às questões humanas, enquanto o desapego delas “as coisas do Espírito”. Essa é uma questão tão específica que qualquer leitor fora deste contexto, teria dificuldade para compreendê-la.


No contexto neotestamentário, a tradição de Jesus são seus ensinamentos e sua forma de viver que estão registradas nos evangelhos, mas são anteriores a eles, posto que estes foram escritos não menos de trinta anos após sua morte. O registro da vida e obra de Jesus deu a elas a interpretação dos seus autores para a edificação de uma comunidade de fé crescente e que precisava destes escritos para normatizar e orientar seus caminhos.


A tradição de Jesus é o que podemos chamar de “núcleo duro” que representa a intenção originária e a prática de Jesus antes das interpretações que se fizeram dele. Traduzir estas observações de modo mais claro seria como dizer que, em certa medida, a mensagem original de Jesus “foi envelopada” por uma tradição – mas não a dele, e sim a da religião. E a igreja, em todas as épocas se encarregou de disciplinar, dogmatizar, hierarquizar e até mesmo, “amansar” aquele embrião de fé que revolucionou o mundo, chamado por mim de o evangelho do amor.


A tradição de Jesus é inclusiva, ou seja, inclui. A tradição da religião é excludente, ou seja, exclui. A tradição de Jesus é libertadora. A tradição da religião mostrou-se milhares de vezes opressora. Na tradição de Jesus o caminho é livre e o caminhante é amparado. Na tradição da religião o caminho é para alguns e os privilégios pertencem à elite.


Não há outro caminho, senão voltar a tradição de Jesus! #tradiçãodeJesus #ocaminhodeJesus #serigreja #batistamineira


15 visualizações
Igreja
Batista
MineirA

batistamineira@gmail.com

 

Rua Piauí, 1045 - Funcionários

Belo Horizonte / MG

CEP 30150-321

  • White Instagram Icon
  • White YouTube Icon
  • White Facebook Icon

@2019 - Site desenvolvido por JP | Designer